Home » Notícias » “Banca da Ciência” do IFSP visita a escola Henory

“Banca da Ciência” do IFSP visita a escola Henory

“Banca da Ciência” do IFSP visita a escola Henory

Cerca de 300 alunos da Escola Municipal “Professora Henory de Campos Góes” participaram das apresentações do projeto “Banca da Ciência”, do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), campus Boituva. O evento aconteceu no último dia 9 e contou com a presença dos professores do IFSP, Emerson Ferreira Gomes (Fïsica) e Heloísa Bressan Gonçalves (Biologia), além de oito estudantes que participam de projetos de pesquisa na instituição.

O objetivo da “Banca da Ciência” é divulgar a ciência com experimentos simples e cotidianos. O projeto nasceu na Universidade de São Paulo (USP) em 2011 e é desenvolvido no IFSP desde 2016. A atividade na escola “Henory” começou com uma palestra sobre Ciência e no decorrer da apresentação foram apresentados cientistas brasileiros de diversas épocas. Também foram destacados os cientistas iperoenses Eugênio Del Vigna Filho (já falecido), Carlos Alberto Paula Leite e André Martins Senna.

Após a palestra, os alunos tiveram contato com seis experimentos trazidos pelos estudantes e professores do IFSP. As demonstrações incluíram as áreas de Eletricidade, Magnetismo, Hidráulica, Robótica, Plasmas e Ótica.

De acordo com o professor Emerson Ferreira Gomes, a atividade contribui para incentivar os alunos a seguirem na Ciência. “Iniciativas como essa, de extensão, são importantes para dialogar com a comunidade. A Banca da Ciência tem duas modalidades: exposição e cursos que ministramos nas escolas. Hoje trouxemos os experimentos para os alunos conhecerem e foi a nossa primeira experiência em Iperó. Estamos à disposição para levar a Banca da Ciência a outras escolas ou eventos relacionados ao município”, comentou.

Regina Célia Correa de Mendonça Alves e Sandro Donisete Guilherme, coordenadores da escola “Henory”, destacaram a importância do intercâmbio entre as duas instituições de ensino. “Foi uma troca de experiências muito significativa, onde os nossos alunos conheceram novas oportunidades para continuar os estudos após o ensino fundamental. Sabemos que formar cientistas é difícil e por isso os estudantes precisam ser estimulados sempre”, disseram.

Scroll Up