Home » Notícias » Caminhadas e apitaços conscientizam os iperoenses

Caminhadas e apitaços conscientizam os iperoenses

Caminhadas e apitaços conscientizam os iperoenses

Em razão do “Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes”, na última sexta (18) o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) e o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) coordenaram ações em George Oetterer e na região central de Iperó, com cartazes e apitos para dar visibilidade ao tema e possibilitar a prevenção da violência.

As atividades tiveram a parceria da Prefeitura de Iperó, por meio das secretarias municipais de Educação, Cultura e Esportes (SECE), de Assistência e Desenvolvimento Social (SADS) e de Meio Rural, Ambiente e Turismo (SERAT), além da Escola Municipal “Professora Zilma Thibes Mello”, Escola Estadual “Dr. Gaspar Ricardo Júnior”, Programa Prefeito Amigo da Criança, Associação Cabana de Luz, Conselho Tutelar e Guarda Civil Municipal de Iperó (GCM).

Antes das ações, foram realizadas reuniões com os coordenadores das escolas para contextualizar a campanha e orientar os professores para trabalharem o tema com os alunos. Os estudantes confeccionaram cartazes, escreveram e encenaram uma apresentação teatral. Mais de 70 pessoas, entre professores, alunos e funcionários participaram das atividades, que contou ainda com palestras ministradas pelo CREAS e GCM.

De acordo com a equipe do CREAS, as ações realizadas em Iperó seguiram a campanha nacional “Faça Bonito – Proteja nossas crianças e adolescentes”, convocando a sociedade para assumir a responsabilidade de prevenir e enfrentar o problema da violência sexual. “Desde 2009, a campanha utiliza como símbolo uma flor, lembrando os desenhos da primeira infância e como estratégia para garantir maior proximidade e identificação junto à sociedade”, explicaram os profissionais do CREAS.

DIA NACIONAL – A data relembra o “Caso Araceli”. Em 18 de maio de 1973, na cidade de Vitória (ES), Araceli foi sequestrada, estuprada e morta. Ela tinha apenas oito anos. Instituído em 2000, por meio da Lei Federal nº 9.970, o “18 DE MAIO” se propõe a mobilizar, sensibilizar, informar e convocar toda a sociedade a participar da luta em defesa dos direitos das crianças e adolescentes, livres do abuso e da exploração sexual.